Machu Picchu – a cidade perdida dos incas

IMG_5778

No nosso terceiro dia no Peru, acordamos cedo em Águas Calientes para visitarmos Machu Picchu. Construída no século XV, o local é, provavelmente, o símbolo mais típico do Império Inca. Seu descobrimento oficial se deu apenas em 1911 pelo professor norte-americano Hiram Bingham, apesar de que já havia alguns nativos utilizando terras para produção agrícola no local, e de que alguns pesquisadores já tinham apontado uma cidade perdida por ali anteriormente. Apenas cerca de 30% da cidade é de construção original, o restante foi reconstruído.

IMG_5818

Onde nos hospedamos?

Os hotéis e pousadas em Águas Calientes têm uma leve queda de qualidade em relação a Cusco, e é possível ver isso chegando lá. Nos hospedamos em uma pousada chamada Panorama B&B. A pousada é arrumadinha, para passar apenas a noite foi suficiente, mas era barulhenta, as dependências do banheiro eram simplórias e o café da manhã era mais ou menos.

Dia em Machu Picchu

Não quisemos pegar um dos primeiros ônibus, que saem por volta de 5 e meia da manhã, porque o tempo estava feio e achamos que não faria muita diferença. Quando chegamos à fila para pegar o ônibus, é que nos demos conta de que não tínhamos comprados as passagens para o transporte. Eu sinceramente achei que já havia a opção de comprar junto com o ingresso de Machu Picchu e que o Luciano tinha feito isso, mas esta passagem deve ser comprada diretamente lá no guichê. Esperei mais de 20 minutos pelo Luciano, e finalmente pegamos o ônibus rumo à cidade perdida dos incas.

20170506_161548

Subindo montanha acima, já dá para começar ter uma noção da imensidão daquilo. Como construíram uma cidade no topo de uma montanha tão alta? A cultura inca não parava de nos impressionar. Ao chegarmos na entrada do parque, encontramos com o nosso guia, que também contratamos pela mesma agência dos outros passeios. Pra mim não valeu tãoo a pena, porque apesar de não termos nos importando de eles falarem espanhol nos tours (compreendemos bem), este em particular falava rápido demais, e não se importou muito com o fato de que claramente não estávamos entendendo tudo o que ele dizia. O valor que pagamos a ele foi $50. Muita gente prefere fazer o tour por conta própria mesmo, com a ajuda de livros ou guias que ajudem a entender os pontos principais.

Entramos no parque e subimos diretamente para o mirante de onde se tem aquela vista clássica de Machu Picchu. Mesmo já sabendo que era emocionante, por tudo o que diziam, estar ali em carne e osso era sensacional. A energia ali era realmente incrível. Estávamos finalmente na Cidade Perdida dos Incas, e uma das sete maravilhas do mundo moderno, a 2400 m. de altitude.

IMG_5771

O tempo estava bem encoberto aquele dia, então saímos para explorar e voltaríamos depois para tentar fazer fotos melhores. Andar por Machu Picchu é razoavelmente tranquilo, há algumas escadas, subidas e descidas, mas nada que vai te deixar exausto. É claro que não estou falando da montanha Hyuna Picchu, cuja trilha é bem mais pesada, mas nós não fizemos.

Fizemos o percurso do parque duas vezes. Quando fomos, em maio, os turistas ainda podiam permanecer lá dentro o dia inteiro, ou entrar e sair no máximo três vezes. A partir de 01 de julho, isto não é mais possível, pois entraram em vigor mudanças em relação às visitas. Agora, a entrada deve ser realizada em turnos:

  • Machu Picchu Individual – Manhã: entrada de 6h às 12h (poderá permanecer dentro até às 12:00 horas).
  • Machu Picchu – A Tarde: entrada de 12h às 17:30h (poderá permanecer dentro até às 17:30 horas)

Áreas de Machu Picchu

O complexo de Machu Picchu é visivelmente dividido em duas zonas: a agrícola, formadas por terraços de cultivos, na parte sul do parque, e a zona urbana, onde viveram os ocupantes da cidade e eram desenvolvidas as atividades civis e religiosas. As duas zonas são separadas por um muro, um fosso e uma escadaria, elementos que estão paralelos entre si, pela face leste da montanha.

IMG_5850

A zona urbana é dividida em dois setores, hanan (alto) e hurin (baixo). No setor hanan, destacam-se: o Templo do Sol, que segundo estudos, foi usado como mausoléu e para cerimônias relacionadas ao solstício de verão; a Zona Sagrada, conjunto de ruínas onde eram realizados rituais incas; e a Residência Real, uma construção grande e com cômodos bem distribuídos.IMG_5724

IMG_5843

IMG_5853

Já no setor hurin, encontram-se a Rocha Sagrada, pedra que indica o extremo norte da cidade, e o Grupo das Três Portas, conjunto arquitetônico que indica o centro da cidade.

Achei legal falar um pouco aqui sobre detalhes sobre o sistema de drenagem de Machu Picchu, e o Wikipedia está bem completo neste aspecto. É impressionante como esta cidade ainda está de pé, e muito se deve a estes fatores.

Engenharia Hidráulica e de Solo (Fonte: Wikipedia)

Uma cidade de pedra construída no alto de um istmo entre duas montanhas e entre duas falhas geológicas, em uma região submetida a constantes terremotos e, sobretudo a constantes chuvas o ano todo apresenta um desafio para qualquer construtor: evitar que todo o complexo desmorone. O solo das áreas não trabalhadas possui um sistema de drenagem que consiste em capas de pedras trituradas e rochas para evitar o empoçamento da água das chuvas. 129 canais de drenagem se estendem por toda a área urbana, feitos para evitar a erosão, desembocando em sua maior parte no fosso que separa a área urbana da agrícola, que era na verdade o deságue principal da cidade. Calcula-se que 60% do esforço construtivo de Machu Picchu estava em fazer as cimentações sobre terras que já sofreram terraplanagem com cascalho para uma boa drenagem das águas em excesso.

Ponte Inca

Fizemos uma parte da trilha da Ponte Inca, que é mais um exemplo bacana da arquitetura inca e é um caminho estreito entre uma montanha de granito e um abismo. Como estava chovendo e o caminho estava meio escorregadio, não chegamos até o final. O caminho é muito bonito e tem vistas lindas das montanhas e da natureza.

Retornamos a Águas Calientes para podermos tomar nosso trem rumo à Cusco, mas antes paramos na pizzaria Full House, que fica bem em frente à estação de metrô. A pizza é gostosinha e o atendimento foi até exagerado rs.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s